Pequenas Fraternidades, o que são e o que devem ser

Outro dia perguntaram ao padre: “Padre, o senhor fala tanto das pequenas fraternidades… Afinal, o que elas fazem?” Ele respondeu, como sempre tern respondido:

“Nao é o que elas fazem. Nao importa o que fazem, mas sim o que elas são, o que elas devem ser?

Devem ser fraternas; acolhedoras; lugar da confiança; lugar do cuidado; esperança que renova os corações; bálsamo que cura as feridas; silencio que fala e voz que escuta; vela acesa na escuridão de nossas noites escuras; irmãos com os joelhos dobrados intercedendo uns pelos outros; porta aberta; colo que acaricia; mãos fortes que nos levantam das quedas; Lágrimas com nossas Iágrimas; dor compartilhada… Elas devem ser, ainda: braços abertos; corações que acolhem; mãos erguidas em louvor; passos firmes, ora lentos, ora apressados, mas sem nunca perder o rumo; lutas em nossas constantes lutas; força em nossa fraqueza; sol que nasce anunciando uma nova manhã, chuva serena a embalar os sonhos; sorriso largo; volta para casa, certeza do encontro, sem muros que fecham: estrada sempre aberta. Devem ser também malas prontas pra partir quando for preciso,quando alguém precisar…

Nao é o que as pequenas fraternidades fazem, mas sim o que elas são: igreja renovada, viva, participativa; casa que se faz Igreja e lgreja que se torna nossa casa; desconhecidos que se tornam irmãos; mesa pronta; bíblia aberta; cafe na mesa; prosa certa… Elas são amor que transborda; conselhos que nos guiam; saudades; casa arrumada; encontros e desencontros que se tornarão novos encontros; ternura de mãe; presença de Maria; abraço de Pai…

As pequenas fraternidades são um encontro com o Senhor; vento impetuoso que envia; transforma; lugar de chegada e de partida; canto e encanto; jardim que se planta; terra cultivada; flores colhidas… e tantas outras possibilidades de ser… de ser para Deus…

Caso, em meio a tantas possibilidades, ainda uma não Ihe convenceu ou seduziu para a ventura de ser e viver em fraternidade, invente, tente a sua e vem ser você conosco. Talvez aquilo que você espera encontrar em meio as pequenas fraternidades esteja dentro de você mesmo.”

Padre Celso Antônio Rocha de Faria